Procurado
Informações que levaram à justiça…

Jehad Serwan Mostafa

Recompensa de até US$ 5 milhões

Jehad Serwan Mostafa, a.k.a. Ahmed Gurey, Anwar al-Amriki ou Emir Anwar; é cidadão dos Estados Unidos e ex-residente da Califórnia.  Desempenhou diversas funções para o al-Shabaab, atuando inclusive como instrutor em campo de treinamento e chefe de combatentes estrangeiros.  É também especializado em atividades de mídia de grupos.  Mostafa é um cidadão americano que residiu em San Diego na Califórnia antes de mudar-se para a Somália em 2005.  Pode ser que já tenha visitado ou que provavelmente visitará os seguintes países: Somália, Iêmem, Etiópia, Quênia e outros países africanos. 

Mostafa faz parte da Lista dos Terroristas Mais Procurados pelo FBI.  Está sendo procurado pelo FBI por seu suposto envolvimento em atividades terroristas.  Em 9 de outubro de 2009, foi emitido um mandado federal de prisão para Mostafa pelo Tribunal Distrital dos Estados Unidos do Sul da Califórnia.  Mostafa foi acusado dos seguintes crimes: conspiração para fornecer apoio relevante a terroristas; conspiração para fornecer apoio relevante a uma organização de terroristas estrangeiros.

A Al-Shabaab foi a asa militante do Conselho Somaliano dos Tribunais Islâmicos que tomou a maior parte do sul da Somália na segunda metade de 2006. A Al-Shabaab continuou sua insurgência violenta no sul e no centro da Somália. O grupo reivindicou responsabilidade por muitos bombardeios – incluindo vários tipos de ataques suicidas -—em Mogadishu, na Somália Central e do Norte, normalmente alvejando autoridades do governo somaliano e aliados considerados do Governo Federal de Transição (TFG) da Somália. A Al-Shabaab provavelmente foi responsável por uma onda coordenada de cinco carros-bomba suicidas em outubro de 2008 que atingiu simultaneamente alvos em duas cidades no norte da Somália, matando pelo menos 26 pessoas e ferindo mais 29. A Al-Shabaab foi responsável por um bombardeio suicida duplo em Kampala, em Uganda, em 11 de julho de 2010, que matou mais de 70 pessoas, incluindo um americano. O grupo é responsável pelo assassinato de ativistas de paz somalianos, funcionários da ajuda internacional, várias figuras da sociedade civil e jornalistas. Em fevereiro de 2012, a al-Shabaab e a al-Qaida anunciaram sua aliança formal.

O Departamento de Estado dos EUA nomeou a al-Shabaab como um Organização Terrorista Estrangeira sob a Seção 219 da Lei de Imigração e Nacionalidade (e posteriores alterações) em 26 de fevereiro de 2008 e uma entidade Terrorista Global designada especialmente sob a Ordem Executiva 13224 em 29 de fevereiro de 2008.