Atos de Terror
Informações sobre …

Assassinato de John Granville e Abdelrahman Abbas Rahama

Khartoum, Sudão | 01 de janeiro de 2008

No dia 01 de janeiro de 2008, o cidadão dos E.U.A. e funcionário da Agência de Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (USAID) John Granville e seu motorista sudanês, Abdelrahman Abbas Rahama, foram baleados e assassinados quando voltavam para casa de uma comemoração de Ano Novo em Khartoum no Sudão.  Dois grupos assumiram separadamente a responsabilidade pelos assassinatos: o grupo agora extinto al-Qaida nas Terras dos dois Nilos (al-Qaida in the Lands of the Two Niles – AQTN) e o Ansar al-Tawhid (Defensores do Monoteísmo).

Cinco indivíduos foram julgados e condenados pelo sistema judiciário sudanês por envolvimento nos assassinatos.  Abdelraouf Abu Zaid Mohamed Hamza, Mohamed Makawi Ibrahim Mohamed, Abdelbasit Alhaj Alhassan Haj Hamad e Mohanad Osman Yousif Mohamed receberam sentença de morte por enforcamento, mas escaparam da Prisão Khober de Khartoum um ano após a condenação. Mohanad, segundo informações, morreu na Somália em maio de 2011.  Abdelraouf foi recapturado pelas autoridades sudanesas.  Makawi e Abdelbasit continuam soltos.

Abdelrahman Abbas Rahama, de 39 anos, nasceu em Juba no Sudão. Iniciou sua carreira na USAID em 2004 como um dos membros originais da Equipe de Intervenção para Auxílio em Casos de Desastre em Darfur no Sudão.  Foi contratado como motorista para a missão USAID/Sudão em Khartoum em novembro de 2005.

John Granville, de 33 anos, era da cidade de Buffalo no estado de Nova York.  Estava trabalhando em programas de democracia e governância da USAID no Sudão por mais de três anos, ajudando na distribuição de rádios por energia solar no sul do Sudão, uma região isolada durante mais de duas décadas de guerra, para informar os cidadãos de seus direitos e ajudá-los a se prepararem para as eleições.  Granville serviu como voluntário do “Peace Corps” em Cameroon de 1997 a 1999, depois disso recebeu uma bolsa da Fulbright para conduzir pesquisa independente em Cameroon.

O programa Recompensas para a Justiça oferece recompensa de até US$ 5 milhões em troca de informações que levem à justiça os responsáveis por este ataque.

Vítimas

Foto de Abdelrahman Abbas Rahama
Abdelrahman Abbas Rahama
Foto de John Granville
John Granville